A orla e as obras da copa

Segue uma outra leitura da Calçadovia do Gasômetro, copiado da publicação de Marcia Mylius.

Saldo das obras para a copa na orla do Rio Guaíba em Porto Alegre.

orla_pedestres_copa

 

Ou seja:

  • 4 pistas para veículos a mais.
  • 5 “pistas” para pedestres a menos (no calçadão).
  • 1 ciclovia bidirecional sobre o calçadão (tirando espaço dos pedestres).

Detalhe 1: Não é permitido trânsito de veículos na orla durante a copa.

Detalhe 2: A avenida Tronco, via que seria construída para o fluxo alternativo de veículos, não chegou a 30% da obra, já a orla, 100% pronta, ficou fechada.

Detalhe 3: Não tenho os números de quantas árvores foram derrubadas.

Fotos tiradas na hora do jogo da Argentina, maior público recebido na cidade.

Esse post foi publicado em ciclovia, mobilidade, pedestre, Plano Cicloviário, políticas públicas, Porto Alegre. Bookmark o link permanente.

7 respostas para A orla e as obras da copa

  1. heltonbiker disse:

    Gostaria de acrescentar que, em frente à Câmara Municipal, 30% da largura da pista (ou seja, uma de 3 pistas) está bloqueada por um “totem” de concreto que sinaliza a Câmara, antes sobre a calçada. Isso anula o esforço de alargamento da rua, pois o fluxo máximo é determinado pelo ponto mais estreito. Além disso, isso é contrário à tendência da engenharia rodoviária municipal, que trocou o Laçador de lugar, trocou a Estrela Guia II de lugar, e derrubou dezenas de árvores NAQUELE EXATO LOCAL para “desimpedir o fluxo”. Portanto, faz-se necessário que, para manter a coerência e o sucesso da operação, se derrube ou se transfira aquele “Totem”.

  2. Thiago disse:

    com tanta via assim pra carro, nada melhor pra protestar que ocupar massivamente a via.

    Com esse asfalto lisinho, tá perfeito pra reunir os spideiros e fazer treino na faixa da direita.
    Perfeito pra galera do massa crítica ocupar a rua também, mostrar quantas dezenas de pessoas podem circular ocupando o mesmo espaço que poucos carros, poluindo bem menos.

    Também perfeito pra quem acha essa engenharia de tráfego do Cappellari um desastre e vai continuar pedalando na rua em vez da ciclofaixa. Pro inferno esses burrocratas.

  3. Felipe X disse:

    Ela nem mencionou, mas o velodromo ficou cercado pelas estradas.

    • Aldo M. disse:

      Tecnicamente, essa porção do parque entre as duas pistas de alta velocidade da Av. Edvaldo se transformou em um canteiro central. E espaços deste tipo, assim como rótulas, não contam como área verde num ambiente urbano. Logo, Porto Alegre teria perdido um grande espaço e uma quantidade significativa de árvores, que não podem mais ser “usadas” pela população, especialmente pelas crianças pelo risco de atropelamento.

  4. Bernardo disse:

    Olhem que belo exemplo de um Azulzinho

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s