Pista de piche

A nova alternativa para os ciclistas portoalegrenses é a pista de piche da orla:

1795253_634199029990400_2840034551963882689_o

Ciclistas que passaram por ali dia 7 de abril pela noite ou no dia seguinte pela manhã tiveram a garantia de ter tênis, camisetas e outros trajes inutilizados pelo betume ainda morno. Para quem devem mandar a conta?

Não havia qualquer indicação da obra nem caminho alternativo. Na região não há sinaleiras para fazer travessia e os veículos trafegam em altíssima velocidade, tornando arriscado descer para a pista de rolamento.

Foto cedida por Eduardo Macedo.
Esse post foi publicado em ciclismo veicular, ciclovia, mobilidade, políticas públicas, Porto Alegre. Bookmark o link permanente.

10 respostas para Pista de piche

  1. Leandro Ferreira disse:

    Explica? hehehe tipo vai ficar assim? ou vai secar e ficar um quase asfalto crespo?

  2. Fabio Neves disse:

    Tive um tênis novinho em folha manchado por conta disso no ano passado… A questão é que eles simplesmente não fazem a colocação do piche em duas fases, e daí o ciclista/pedestre tem duas escolhas: Ou vai pro meio da faixa de rolamento na contramão com os carros, ou encara o piche e se suja todo.

  3. Pedro disse:

    A Renatinha do post anterior iria estragar o salto…

  4. Pablo disse:

    Estavam reclamando que a tinta escorregava… Esse tinta não escorrega nem a pau! Ela Gruda e não solta! \ironic

  5. lobodopampa disse:

    Entrei no piche ontem, me sujei todo – bicicleta, roupa, pele, incluindo o alforge NOVO em folha feito pelo Butina (Henrique Weyne)

    Com 2 compromissos depois, tinha que seguir em frente.

    Comprei sabão de mecânico e escova e arranquei o que pude das mãos pelo menos – no banheiro do Theatro São Pedro antes do ensaio à noite. Hoje de manhã passei uns 5 ou 10 min esfregando as canelas com esse sabão – que é super abrasivo e chega a machucar a pele – e só saiu o “relevo”, as manchas continuam lá.

  6. Marcelo disse:

    É pedir demais exigir que eles sinalizem que o trecho está sendo asfaltado e ofereçam um caminho alternativo e seguro?

    • Pedro disse:

      No caso da busnello, é pedir demais que eles percebam que existe gente na cidade fora das carcacinhas de metal. Essa obra é um conjunto de desmandos, arremedos e empecilhos para pessoas. Desde que começou essa obra a zona sul está sitiada, para quem não anda de sofá móvel. E eles estão cagando para acessibilidade, vão tocando a obra em modo brucutu. Os desavisados que querem passear na zona sul fim de semana são pegos de surpresa com o local escuro quando voltam.

  7. Fahrradweg disse:

    existe um INQUÉRITO CIVIL acerca do problema da falta de sinaleiras para fazer travessia segura dessa freeway. até agora, nada de resultado.

    O inquérito está sob a responsabilidade do Promotor de Justiça Dr. Norberto Cláudio Pâncaro Avena, sendo o Inquérito Civil nº 01202.00234/2013 cujo objeto é “investigar potencial infração à ordem urbanística em razão da ausência de condições para a travessia segura de pedestres e ciclistas, da Av. Padre Cacique para a Av. Beira-Rio, cruzando a Av. Edvaldo Pereira Paiva até a orla”.

    Assim, a todos que leem esse blog e esperam que algo seja feito, sugiro que se dirijam até o MP, nas torres gemeas, torre norte, 4º andar, na Promotoria de Justiça de Habitação e Defesa da Ordem Urbanística, e prestem sua reclamação quanto às obras dessa avenida. tenho certeza que se mais pessoas reclamarem, eles irão pressionar mais a Prefeitura.

    abraços.

  8. Pingback: Pista de piche – parte 2 | Vá de Bici

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s