Fotos da ciclofaixa da Avenida Chuí

Hoje pedalei até a Zona Sul e aproveitei para tirar fotos de como está ficando a ciclofaixa da Avenida Chuí. De cara, o que achei lamentável é ainda não haver indícios de uma continuidade entre essas duas ciclofaixas, tampouco algum acesso da Chuí até a Orla, onde encontra-se a tremedeira ciclocalçada da Diário de Notícias.

chui001

Começando do nada…

chui002

interrompimento na parada de ônibus

chui003

Pelo menos agora tem uma sinaleira pras pessoas atravessarem, mas tomem cuidado pra não levar uma fechada na Pinheiro Borda, onde a ciclovia não continua…

chui006

Outro ângulo da mesma travessia…

chui005

Seguindo…

chui004

Acabou! Se quiser ir pra Orla desce da bicicleta e vai se arriscar atravessando a autobahn!

 

Anúncios
Esse post foi publicado em ciclofaixa, Plano Cicloviário, Porto Alegre. Bookmark o link permanente.

17 respostas para Fotos da ciclofaixa da Avenida Chuí

  1. lobodopampa disse:

    Essa ciclofaixa é a continuação da ciclofaixa da Icaraí. O maior problema a meu ver é justamente a inexistência de soluções nos pontos críticos.

    No entroncamento da Icaraí com a Chuí, que tem aquela ampla curva à esq – onde o Macedo foi derrubado e quebrou a clavícula – a ciclofaixa e a sinalização específica simplesmente DESAPARECEM.

    Acho que sei o motivo. NÃO É FÁCIL projetar ciclovia/faixa que FUNCIONE em cruzamentos. Precisa conhecimento e experiência ou pelo menos uma cabeça muito aberta que possibilite uma construção coletiva de conceito. A prefeitura não dispões de nenhum desses 3 recursos.

    Então eles fazem o que estamos vendo:

    – pintam uma ciclofaixa irregular, menor do que o mínimo estipulado no próprio manual DELES;

    – fazem isso em algum lugar onde já era mais ou menos tranqüilo pedalar sem ciclofaixa mesmo, porque o espaço era amplo;

    – não fazem nada aonde o espaço é exíguo e as condições de tráfego realmente perigosas (caso da própria Icaraí, no sentido centro-bairro!);

    – fazem ela “sumir” em todos os pontos do trajeto que apresentem dificuldades de projeto;

    – não fazem ela continuar em direção à Orla e se conectar com a ciclovia do Barra ou pelo menos com a própria orla que é um espaço livre de motores ainda que “selvagem” e desconfortável;

    – tbém não fazem ela continuar na Pinheiro Borda (há quem defenda a tese que é justamente em SUBIDAS que as ciclofaixas são mais necessárias, porque o diferencial de velocidade em relação aos automotores aumenta muito)

    – sem nenhuma das 2 opções de conexão, não há como ir do Sul ao Centro por ciclofaixa/via;

    – com isso muitos moradores acabam usando a faixa no sentido contrário (que realmente é muito mais perigoso de trafegar pela via)

    A única parte boa a meu ver é que no trecho da Chuí eles AUMENTARAM um pouco a largura – talvez um pouco pela pressão exercida por este blog neste sentido. Ali dá pra conviver bem melhor com os picapaus que vêm na contra-mão (com os quais tenho muito mais paciência e compreensão do que com corredores, caminhadores e outros invasores de ciclovias).

  2. Aldo M. disse:

    O detalhe mais estapafúrdio dessa ciclofaixa é só existir em um dos sentidos. Quem irá se sentir motivado a ir por ela se não há um caminho de volta? Serviço pela metade.

    Mas mais preocupantes são a velocidade dos veículos na via, que continua em 60 km/h, a falta de soluções adequadas para os cruzamentos e a interrupção da ciclofaixa nas paradas de ônibus.

    E ainda há a pintura sem nexo, com faixas amarelas junto ao meio-fio nas paradas e pintura vermelha até o meio-fio no restante, embora seja intransitável até a 50 cm de distância pela proximidade do meio-fio. A pintura, aliás, é desnecessária (exceto nos cruzamentos) e perigosa, pois feita sem a mistura com microesferas de vidro que a deixaria com a aderência adequada.

    Continua também a teimosia em utilizar os perigosos tachões derruba-ciclistas, que fizeram questão de colocar bem rente à ciclofaixa, quanto poderiam pelo menos ficarem rente às vagas de estacionamento.

    No mais, a ciclofaixa (que a prefeitura está vendendo como ciclovia) está ótima!

    • Felipe X disse:

      Como não há ciclofaixa no outro sentido, automaticamente estas faixas da Chuí e da Icaraí estão sendo usadas como bidirecionais. Principalmente na Icaraí, pois é quase suicídio pedalar nesta avenida no sentido centro/bairro.

    • Pablo disse:

      Acho que o maior problema é justamente ser unidirecional… De resto achei até que bem boa. Falta ainda sinalização adequada e resolver os pontos críticos, mas para isso a EPTC/SMOV não tem condições nem para os carros, ônibus ou qualquer coisa… Para pedestre então, nem se fala.

  3. Rafael disse:

    Em Santos tem uma ciclovia com curvas em quase 90 graus. Imagino que o arquiteto nunca andou de bike para entender que esse tipo de coisa oferece muitos riscos aos ciclistas

  4. Aldo M. disse:

    Para mim, o objetivo da prefeitura em fazer uma ciclofaixa unidirecional na Icaraí e Chuí é estabelecer um percurso circular com a Diário de Notícias objetivando o uso para lazer, não para transporte.

    • Felipe X disse:

      Não acho que a coisa seja pensada assim como tu dá a entender. Na real fizeram faixa no sentido bairro/centro por que era mais fácil, a Icaraí já era mais larga neste sentido. Do outro lado, teriam que realmente alargar a rua para fazer uma faixa.

      • Aldo M, disse:

        Eu insisto, Felipe, que a Prefeitura está fazendo circuitos circulares junto à orla de forma deliberada. Estão desviando a obrigação de tratar a bicicleta como meio de transporte.

      • Felipe X disse:

        Tu falou no plural, quais são os outros?

  5. José Antonio Martinez disse:

    Parabéns pelo retorno da Melissa, em belo post com muitas fotos incentivadoras e que servem como alerta.
    Esta ciclo-coisa é muito perigosa e quem dirige carro sabe do perigo constante de atropelamento a ciclistas.
    Nas conversões a direita, a faixa de estacionamento, com carros enfileirados até a esquina de conversão, impedem totalmente o ponto de visão pelo retrovisor, dos ciclistas que se deslocam pela faixa em direção bairro-centro o que transforma esta ação numa manobra a cegas. Veja bem o perigo que conseguiram colocar a disposição de motoristas que nem estão ligados.
    Eu acredito e dou fé nas palavras do Artur existe grande irresponsabilidade pelo desconhecimento e a ação impensada de construção desta enjambração de ciclo-coisa.
    Não existe como transformar esta coisa, numa ciclo-algo, sem tirar dos carros do estacionamento que criaram lá; ou seja sem pensar politicamente em “perder votos” dos motoras.

    • Marcelo disse:

      Eu dirijo carro e não sei do perigo constante de atropelamento de ciclistas. Basta ficar abaixo da velocidade máxima permitida e andar a 30, 35km/h em zonas muito movimentadas e ficar atento. Na ciclovia, embora a maioria dos motoristas não o faça, deve-se parar o carro e observar bem se vem ou não ciclista, para em seguida continuar em baixa velocidade e aceleração. Se você não tem visão: pare!

      • José Antonio Martinez disse:

        Marcelo, bela resposta esta tua!! diria que não é bela ela é maravilhosa, transmites um conhecimento extremo da coisa, mais por estares postando isto num blog de bicicletas e não de carros. Novamente, vou fazer um novo esforço para te transmitir a ideia, o motorista no momento da conversão a direita chegando no ponto de conversão encontra uma fila imensa de carros estacionados, que impedem totalmente a visão do fluxo da ciclo-coisa em direção ao centro. Deu para entender? Bom se deu para entender poderás compreender que, parar nada adianta, porque continuas sem ver; e apontar o carro encima da ciclo-coisa, pode atingir um ciclista que por ventura, sabendo que é prioritário no cruzamento, e estando a mais de 20 kilômetros por hora (macedo, Lobo Pampa, Piratinha, Helton, etc.) certamente irá se espatifar contra a “frente-lateral direita” do carro. Como sou ciclista eu nem vou por este percurso evitando a conversão mas não pede isto aos motoristas e certamente as oito horas da manhã irão converter a cegas. Se olhares alguns posts atrás já teve um acidente grave de um ciclista contra um carro fazendo esta conversão. E novamente vou dizer tu nunca fizeste esta conversão estando de carro, porque de outro jeito terias me dado a razão, saúde a todos e um abraço, Marcelo.

      • Aldo M, disse:

        Quem atropela são os maus motoristas. Não se pode dar mais oportunidades a eles.

  6. André Gomide disse:

    Aproveitando a discussão…semana passada a lotação que eu estava foi frear para pegar um passageiro e saiu deslizando sobre aquela loucura que fizeram…pintar com uma tinta que desliza(muito) quando molhada.
    O motorista nem vinha em uma velocidade elevada….se fosse para evitar um atropelamento ele não teria conseguido. Lembro, que muitos pedestres já estão confundindo aquela travessia das fotos 3 e 4 com sendo uma faixa de segurança.

    • Walescko disse:

      a tinta vermelha usada é para fazer deslizar melhor os pneus quando travados. Aderência Zero, imagina quando molhada ou apenas úmida, é um sabão para todos.

  7. Walescko disse:

    se a Prefeitura de Porto Alegre nos ouvisse como outra prefeitura de nosso país…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s