Paulo Sant’Ana propõe implosão do Mercado Público para implantação de estacionamento.

imagesEm sua coluna no tablóide mais vendido de Porto Alegre, o colunista Paulo Sant’Ana propôs a completa demolição do prédio histórico do Mercado Público de Porto Alegre para a construção de um novo prédio, com estacionamento. Segundo este senhor, que usa ditos populares como verdades absolutas, se não há estacionamento, não há negócios.

Vamos analisar alguns trechos de seu triste texto, sem nexo algum:

“Penso que pode ser a hora propícia para a implosão do Mercado Público semidestruído anteontem e a construção de um novo prédio, um novo Mercado Público.”

Que bom que ele fez questão de linkar o “Mercado Público semidestruído” para uma matéria que explica muito bem que na verdade, apenas 10% do prédio foi queimado, ou seja, é completamente viável a recuperação dele – na verdade, a maior parte dele nem precisa ser recuperada, já que não queimou, apenas limpa.

“Porque tanto a centena de proprietários de bancas no Mercado quanto o público reclamam com insistência que o atual Mercado Público não tem estacionamento.”

Por acaso o Mercado Público vêm sofrendo com falta de clientes? As lojas estão ameaçadas de ir à falência, estão decadentes? Pelo contrário, ele está constantemente movimentado, sempre cheio – às vezes até demais, tendo que ficar até 15 minutos esperando para ser atendido em algumas bancas. Muitas bancas vão tão bem que acabaram de fazer reformas. Não há falta de público. Esses proprietários que querem estacionamento, querem estacionamento para eles ou para seus clientes?

Todas essas reclamações de falta de estacionamento no Mercado Público soam como manha de motoristas mimados, que querem sempre estacionar seu carro bem próximo ao seu destino, para que não tenham que caminhar pelas “ruas inseguras” de Porto Alegre. Um tipo de comportamento que apenas contribui para a degradação da cidade – esvaziando as calçadas e tornando-as mais inseguras e aumentando os congestionamentos. A minha impressão é que o sr. Sant’Ana, assim como Valter Nagelstein, quer que o Mercado Público seja freqüentado por um público “mais qualificado”, e queira a transformação do espaço para algo mais parecido com o ambiente asséptico de um shopping center, ou simplesmente quer chegar no Mercado sem ter que compartilhar calçadas com aquele povo que freqüenta o centro.

Na verdade o acesso ao Mercado Público é muito fácil, é o local de Porto Alegre com o maior número de linhas de ônibus, ficando perto de dois dos maiores terminais de ônibus da cidade. Até mesmo para quem vai de carro, existem diversos estacionamentos particulares na Avenida Mauá e na Siqueira Campos e, para nossa infelicidade e inFortunio, a administração municipal transformou até mesmo o Largo Glênio Peres em estacionamento para os clientes do Mercado. Se falta algo que facilite o acesso de quem faz compras no Mercado, é um ponto de táxi em uma das saídas do prédio, para que clientes com compras pesadas não precisem caminhar muito para conseguir um táxi.

“Na verdade, o Mercado Público anteontem incendiado é um shopping, onde se vende muita coisa variada.
Então este Mercado incendiado é o único shopping do mundo que não tem estacionamento. Isso é inaceitável.”

Grand Bazaar, em Istambul, maior mercado coberto do mundo. E não possui estacionamento - Paulo Sant'Ana pira.

Grande Bazar, em Istambul, maior mercado coberto do mundo. E não possui estacionamento – Paulo Sant’Ana pira.

Baseado em que este senhor afirma que o Mercado Público é um shopping center? Só por vender coisas variadas? Então um supermercado também seria um shopping, assim como o Mercado Municipal de Florianópolis, que também não possui estacionamento. Segundo este princípio o Grande Bazar de Istambul, o maior mercado coberto do mundo, também é um shopping center, mas é muito maior que o Mercado Público, e também não possui estacionamento. Quem sabe destruímos o Grande Bazar também? E todos os mercados municipais históricos do Brasil? Afinal, estas “velharias” construídas séculos atrás não possuem estacionamentos. O que este senhor fala não tem o menor fundamento ou coerência, só um jornal que não se leva a sério e não tem o menor compromisso com a verdade para publicar um artigo ignorante, estúpido e mentiroso como esse.

“Por isso a minha ideia ou sugestão é que se imploda este Mercado e se construa no local outro, com vários andares destinados ao estacionamento e outros para as bancas propriamente ditas.

“Porque é célebre o ditado norte-americano de que “no parking, no business”, traduzindo, sem estacionamento não há negócios. E nosso mercado tão querido não pode continuar sem estacionamento.”

Região de Strøget, na Dinamarca, centro comercial e turístico - sem carros.

Região de Strøget, na Dinamarca, centro comercial e turístico – sem carros.

Um ditado ser célebre não quer dizer que seja inteligente ou que tenha qualquer fundo de verdade. O próprio Mercado Público de Porto Alegre mostra a inverdade desta afirmação: não possui estacionamento, mas possui um grande público.

Existem muitos exemplos de cidades que baniram o trânsito de automóveis de seus centros históricos, onde o comércio prospera – como o centro de Viena, capital da Áustria e a área de Strøget, em Copenhague, capital da Dinamarca. Na verdade esses locais são não apenas locais bons para se fazer compra, mas grandes pontos de turismo – e o fato de serem áreas exclusivas para pedestres só fortalece isso.

Na verdade a proposta desse colunista só mostra seu total desconhecimento do que torna cidades interessantes: a sua história, suas peculiaridades, é o que diferencia as peculiares cidades européias das cidades entediantes e sem qualquer indício de personalidade que encontramos por aí, onde os pontos turísticos são shopping centers, que são iguais em qualquer lugar do mundo. É isso que queremos para Porto Alegre?

“Sou completamente insuspeito para propor isso: acreditem, como vereador nos anos 80 fui o autor da emenda que tombou este atual Mercado Público para o Patrimônio Histórico. Por minha iniciativa, o Mercado Público se tornou patrimônio histórico.”

Quem cria uma emenda para tombar um prédio como Patrimônio Histórico, deve ter idéia de que destruir esse patrimônio tombado é crime, não? E incitar à destruição do Patrimônio Histórico não seria uma forma de vandalismo ou apologia ao crime?

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , . Guardar link permanente.

13 respostas para Paulo Sant’Ana propõe implosão do Mercado Público para implantação de estacionamento.

  1. Pablo disse:

    Esse é o mesmo Paulo Sant’Ana que chamava os radares e pardais de máquinas traiçoeiras. Não há como negar que muito do nosso atraso é fruto dessas opiniões furadas dessas pessoas, aliadas, é claro, com políticos moles que não querem se incomodar com esses sujeitos.

    • Praiano Pa disse:

      A parte dos radares que multam a partir de 67Km eu apoio
      Essas “baladinhas seguras” que são encerradas 3 da manha não param quem sai de caneco cheio das festas pegam os que bebem uma taça de vinho em um jantar a dois…

  2. zigli disse:

    Imagino ainda que, segundo o seu projeto, a construção do tal estacionamento/shopping ficaria a cargo da construtora pertencente ao “complexo máfio-midiático”* guasca.
    * denominação cunhada pelo sr. Cloaca

  3. Felipe X disse:

    Até o rua da praia tem pouco estacionamento, não precisa ir até Istambul.

    Mas na boa, acho que não deviam ficar dando espaço para as trolagens dele. É a velha estratégia “Paulo Coelho” de criar uma polêmica boba e ganhar mídia e vender.

    • Cecílio disse:

      Me impressiona ter gente que se prestou a escrever bíblias sobre uma besteira feita só pra gerar polêmica.

      • Emanuel disse:

        Cara, to no trago, mas tive que responder. Por essa resposta, e outras, que esse site é ótimo! Sempre prestando serviços de informação, crítica e afins. Muitos intelectuais e empresários poderiam melhorar a educação deles se visitassem aqui.
        Fora isso, não faz um mês (13/6) que fiquei de bobeira no mercado, enquanto esperava a manifestação, e me espantei com a defesa que esse patife, quando vereador, fez do mercado (x especulação imobiliária). Está lá em um banner envidraçado. Que efeito os “anos” fizeram a ele.

  4. airesbecker disse:

    Para que um shopping center a mais em nossa cidade?

    Se o que falta é estacionamento é so aproveitar para alinhar a Av Siqueira Campos com a Julio de Castilho e a Voluntários da Pátria e fazer um grande edifício garagem.

    Aliás há outros edifícios velhos que atrapalham o trânsito como os prédios da UFRGS que devem ser retirados para alinhar a Av Loureiro da Silva com o túnel da Conceição.
    E o Hospital de Clínicas que interrompe a continuidade da Av Jerônimo de Ornelas.

    Assim como foram tiradas áreas do Parque Marinha e da Orla do Gasômetro para duplicações de avenidas, nesta mesma lógica estas demolições de prédios antigos para aumentar o tráfego são coerentes.

    Ora, destruir parques, hospitais, universidades ou mercados para alargar avenidas é a mesma lógica, bem coerente, inclusive com o projeto do Cais do Porto onde será construído um novo shopping center, vários estacionamentos e edifícios de escritórios de 30 andares.

  5. Aldo M. disse:

    Tenho uma outra leitura dessa crônica infame. Para mim foi jogada ensaiada com seu patrão, que no editorial de hoje disse que “discorda da proposta de implosão manifestada neste mesmo veículo pelo colunista Paulo Sant’Ana, que expressou sua visão pessoal em consonância com os princípios de pluralismo de opinião e de liberdade de expressão cultuados pela empresa.” Hahahah! Essa não deu para aguentar!

  6. Rodrigo Monassa disse:

    Este velho decrépito , a serviço das elites, só fala merda ha mais de 40 anos, tá na hora do povo ignorar a cloca verborrágica dele.

  7. Senhor X disse:

    Respondendo às últimas duas perguntas; não e não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s