Quando o único crime é a velocidade…

“Eu estava devagar, não havia bebido” disse o motorista que atropelou seis adolescentes em cima da calçada no último sábado em Porto Alegre, como se isto o isentasse de culpa ou o tornasse menos responsável pelo acidente. Dionathan Silva dos Santos perdeu o controle do carro quando irresponsavelmente tirou as mãos do volante e os olhos da pista para pegar a mamadeira de sua filha de um ano, que também estava no carro. Vale lembrar que o que ele fez é uma infração, o CTB estabelece no artigo 252 que é infração “Dirigir veículo: – com apenas uma das mãos, exceto quando deva fazer sinais regulamentares de braço, mudar a marcha do veículo, ou acionar equipamentos e acessórios do veículo”.

"Eu estava devagar", diz motorista que atropelou seis pessoas em Porto Alegre Félix Zucco/Agencia RBS

A frase dita por Dionathan foi, por algum motivo a manchete da matéria no tablóide Zero Hora, como se a informação que ele estava devagar fosse relevante para o assunto.  O fato do motorista estar respeitando um dos artigos no CTB não significa que ele está respeitando todos os outros. Por sinal, apenas pela foto acima, publicada no mesmo jornal, podemos ver que o motorista comete pelo menos uma outra infração. O carro possui películas negras nos vidros que bloqueiam muito mais de 30% da luminosidade que estabelece a resolução do CONTRAN: “a transmissão luminosa do conjunto vidro-película não poderá ser inferior a 75% no pára-brisa e de 70% para os demais“. E isso não é raro, basta observar um pouco o trânsito de automóveis para reparar que atualmente a maioria deles possui películas que vão além do permitido por lei. Como usuário da bicicleta e pedestre, me sinto em situação de risco, principalmente à noite pois o uso dessas películas diminui muito a visibilidade de ciclistas e pedestres em vias pouco iluminadas.

Por algum  motivo que desconheço, a irresponsabilidade é tratada com leniência pela EPTC e demais autoridades de trânsito, apenas algumas das infrações são fiscalizadas, a maioria é completamente ignorada. Enquanto isso as pessoas seguem morrendo e sendo mutiladas.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

16 respostas para Quando o único crime é a velocidade…

  1. Netto disse:

    A falta de atenção é uma das principais causas de acidentes, seja com motoristas, motociclistas e mesmo ciclistas e pedestres. Não dá pra dirigir numa avenida com trânsito pesado sem olhar os detalhes a sua volta. Tem que estar focado o tempo todo, costumo dizer que é preciso ter um pouco de médium pra poder dirigir rss, pra meio que, prever o que o outro motorista vai fazer. Porque num acidente, quando o motorista diz “perdeu o controle” a chance disso ser problema mecânico do carro é minima, ou seja, motorista estava rápido demais, ou falando no celular ou mesmo pegando algo dentro do carro fora do angulo de visão.
    Isso também vale pra ciclistas. Eu mesmo quando pedalo, não consigo atravessar uma rua preferencial sem olhar. É burrice e arriscado! Mas vejo muitos ciclistas que não tem essa preocupação. Educação no trânsito para todas as categorias!

  2. Antonio disse:

    impressionante como as pessoas não raciocinam. Então se não bebeu e está devagar, pode olhar TV, pode dirigir de costas, pode atropelar que não tem culpa.

  3. Felipe X disse:

    Exato, a matéria já tem uma justificativa na capa. Enquanto isso, outra sobre pais ciclistas tem como subtítulo “Eles encaram os riscos do trânsito e carregam os filhos por aí na garupa da magrela”.

    http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/05/a-experiencia-de-pais-que-transportam-seus-filhos-de-bicicleta-4149966.html

  4. Ricardo disse:

    Embora a manchete da matéria não tenha sido muito feliz,não entendo por que esse ranço com a Zero Hora.Nos últimos anos ela tem dado uma visibilidade muito mais positiva do que negativa quanto a questão da bicicleta como meio de transporte aqui na cidade.

  5. Guarani Kaiowa Irônico disse:

    Para o Denatran, encosto traseiro é obrigatório, logo a maioria dos carros envolvidos em acidentes estão irregulares, qual relação disso com o acidente específico? Nenhuma.

  6. fbpavao disse:

    Offtopic: vi agora sendo instaladas sinaleiras na ciclofaixa da José do Patrocínio, nos mesmos moldes da ciclovia da Ipiranga, com direita a botãozinho de “aperte e espere”.

    Assim não dá! Eu tava até gostando da ideia de ter aquela ciclovia, que é do lado de onde moro, mas se tiver que esperar 2 minutos para cada cruzamento não vai ter como!

    Vamos fazer uma pressãozinha pra reavaliarem isso?

  7. FernandoFilho disse:

    Na matéria tem o link de outra que diz o seguinte: “Dionathan Silva dos Santos, 20 anos, afirmou que se distraiu para pegar a mamadeira da filha de um ano e cinco meses e perdeu controle do carro”. É muito comum ver motoristas fazendo outras coisas enquanto estão dirigindo, além de simplesmente prestar atenção no trânsito.

  8. Cecílio disse:

    Por isso que eu sempre digo que a velocidade é o menor dos problemas. Aliás, motoristas que andam mais rápido obrigatoriamente estão mais atentos. Não que eu defenda o aumento do limite de velocidade dentro da cidade – 60Km/h está de bom tamanho, mas a quantidade de porto-alegrenses dirigindo com a bunda, a 40-50Km/h e DESATENTOS não está no gibi.

    • Aldo M. disse:

      Há motoristas, pedestres e ciclistas desatentos. Como não descobriram ainda uma forma de deixá-los todos atentos, a redução dos limites de velocidade dos automóveis tem sido uma das formas mais efetivas de reduzir os acidentes. Por isso, na imensa maioria das cidade do mundo, o limite absoluto é de 50 km/h há décadas. E há uma forte tendência para que baixe ainda mais, para 30 km/h.

      • Felipe X disse:

        Verdade, mas baixar o limite não adianta sozinho pois pouca gente respeita ele mesmo. Precisa é tomar ações de traffic calming.

      • Cecílio disse:

        Reduzir os acidentes, não… reduz é a gravidade deles. Só ver a quantidade de notícias de “perdeu o controle do veículo” por aí – pra mim isso só seria possível em velocidades altíssimas, mas nunca duvide da capacidade do ser humano.

      • Aldo M, disse:

        A lógica da velocidade não é tão simples assim. Considere que surja repentinamente uma criança na pista a 30 metros de distância, Se estiveres a 50 km/h, conseguirás parar e evitar o atropelamento. Mas, se estiver a 60 km/h, iráa atropelá-la a 40 km/h, com grande chance de matá-la. Nào é à toa que os europeus usam o limite urbano de 50 km/h.

  9. marcelo disse:

    Aldo, ja estive na alemanha e franca. poucas avenidas são 50km/h lá. A maioria das ruas é 30km/h mesmo. Pedalei bastante por lá, e a velocidade em geral é bem respeitada.

    • Aldo M. disse:

      Para quem não puder ir tão longe, algumas cidades aqui do Estado já estão décadas à Frente de Porto Alegre em gestão do trânsito.

      Em Santa Rosa, a via de maior velocidade é na entrada da cidade com 50 km/h. Logo, ela passa para 40 km/h. No restante da cidade, é de 30 km/h no máximo, havendo trechos de 20 km/h máximos em rótulas e em frente a escolas.
      Por conta disso, as crianças pequenas podem andar sozinhas nas ruas sem sequer precisam olhar para os lados ao atravessar nas faixas de segurança.

      Mas o apelo da segurança para se transitar mais devagar não funciona em algumas mentes de apressadinhos assassinos em potencial. Para esses, eu mostro como eles são ridículos ultrapassando seus SUVs e BMWs presos no trânsito com a minha bicicletinha dobrável. É muito divertido!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s