A Cidade (Sustentável) do Prefeito

Transcrevo abaixo texto publicado no blog o Prefeito Fortunati, grifando aspectos que se relacionam com a mobilidade (para que não se torne off-topic aqui no Vá de Bici), com grifos meus:

Mais do que uma expressão da moda, a sustentabilidade deve se constituir em realidade na vida das cidades, com ações práticas que garantam qualidade de vida e legado para as gerações futuras. Nesse contexto, Porto Alegre tem histórico de pioneirismo no debate e na implantação de ações relacionadas ao meio ambiente e de participação cidadã nas políticas públicas. Numa visão de futuro, destacamos importantes obras que reduzirão a emissão de gases do efeito estufa: sistema de ônibus rápidos (BRTS), metrô, rede de ciclovias, transporte hidroviário, além do Programa Integrado Socioambiental (Pisa), da revitalização da Orla e do Arroio Dilúvio.

Relembramos e enfatizamos esses itens a propósito do debate gerado pela ação da prefeitura em função da obra de duplicação da Avenida Edvaldo Pereira Paiva, a Beira-Rio, no trecho próximo à Usina do Gasômetro.

Em primeiro lugar, é importante que todos saibam que foi feita a licença ambiental adequada para a execução da obra. Além disso, há outros pontos que precisam ser observados, como, por exemplo, o fato de naquela área termos um dos principais focos de poluição ambiental pelo engarrafamento diário com a emissão de gases pelos automóveis. Isso mostra que a necessidade da duplicação da via para proporcionar fluidez é também uma questão ambiental e não somente um problema de mobilidade.

É importante esclarecer também que há uma grande preocupação da prefeitura com a compensação das árvores que precisarão ser removidas. No total, serão plantadas 401 mudas com essa finalidade. Seguindo critérios técnicos, as plantas exóticas (não originárias de nosso ambiente) serão substituídas por espécies nativas, uma exigência da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. Naquele espaço, também estamos iniciando a revitalização da Orla do Guaíba, que vai permitir o plantio de mais árvores nativas e a sustentabilidade ambiental da região.

Reconhecemos que faltou uma melhor comunicação com a comunidade, explicando as ações a serem implementadas.

Permitam-me agora falar na primeira pessoa para recordar que, ao longo da minha trajetória, e quem me conhece e me acompanha sabe disso, sempre fui um homem do diálogo e da construção coletiva. Uma declaração que não condiz com meu histórico de cidadão e homem público e que já ensejou um pedido de desculpas não deveria pautar de forma rebaixada o debate, nem macular a trajetória da qual me orgulho. Tenho convicção de que estamos no caminho certo e de que todos aqui, assim como eu, curtem e cuidam da nossa cidade e é nessa perspectiva que seguiremos trabalhando na construção de uma Porto Alegre mais moderna, bonita, sustentável e cada vez melhor de se viver.

A própria ênfase dada já indica quais são os pontos onde vejo graves contradições, apesar de perversamente sutis, mas gostaria de comentar em especial o conteúdo do terceiro parágrafo: “naquela área termos um dos principais focos de poluição ambiental pelo engarrafamento diário com a emissão de gases pelos automóveis. Isso mostra que a necessidade da duplicação da via para proporcionar fluidez“.

Enquanto, para citar dois exemplos, Nova Iorque e Londres disputam entre si o título de cidade que converte mais rapidamente as vias de trânsito motorizado em espaço exclusivo para pedestre e/ou transporte coletivo, o Prefeito vem com um argumento que chega a ser revoltante em sua própria obsolescência – o que é triste para quem pretende construir uma cidade moderna.

Sua lógica linear é a seguinte:

  • Existe uma área de alto valor ambiental que, devido ao excesso de automóveis, é um dos PRINCIPAIS FOCOS DE POLUIÇÃO da cidade (nas próprias palavras dele!);
  • Por isso, é necessário fazer com que esses veículos saiam rápido de lá, PASSANDO COM MAIOR VELOCIDADE, E EM MAIOR QUANTIDADE!!

What the fuck?!?!?!

Enquanto isso, MILHARES de pessoas que vão lá tentar fazer exercício diariamente, além de já terem que tropeçar umas sobre as outras, agora também terão de conviver com o peso na consciência por estarem se exercitando em meio à fumaça de uma área que é foco diferenciado de poluição ambiental…

Ora, Prefeito, faça-me o favor…

Anúncios
Esse post foi publicado em apocalipse motorizado, mobilidade, políticas públicas, Porto Alegre e marcado , , . Guardar link permanente.

15 respostas para A Cidade (Sustentável) do Prefeito

  1. heltonbiker disse:

    Em outra postagem do Prefeito: “São obras decorrentes dos compromissos assumidos pela cidade para sediar uma das chaves da Copa 2014 e que ficarão como legado do grande evento esportivo, ampliando seus benefícios para as próximas gerações. São também resultados de muitas articulações com outras instâncias de poder, especialmente o governo federal, e do fazer a lição de casa, mantendo saudável as finanças municipais, o que permitiu, como nunca, a atração de recursos para investimentos na infraestrutura da cidade.” Copa? Benefícios para próximas gerações? Infraestrutura?

    • Felipe X disse:

      Adoro essa história de compromisso para a copa, por que essa avenida sequer poderá ser usada nos jogos devido ao raio de interdição de trânsito pedido pela FIFA.

  2. Ricardo disse:

    Nosso prefeito é um dissimulado.

    A única coisa decente que ele fez foi ter implantado a coleta por conteiner aqui.Nossa cidade estava virando literalmente um lixo.

    • Eu tenho algumas ressalvas sobre os conteiners. Aqui onde eu moro, por exemplo, tem muitos prédios, mas não me lembro de nenhum conteiner na região. E provavelmente nunca vai ter, pra não atrapalhar a fluidez da Azenha, da Bento e da Princesa Isabel. Se um dia tiver, provavelmente vai ser colocado sobre as calçadas, como na Cidade Baixa. Aqui não é raro ver lixo espalhado na rua, inclusive ontem vi um saco ser atropelado e encher aquela pracinha no cruzamento de todas essas avenidas se encher de lixo. Fora a coleta seletiva, que foi extinta, e a inundação que dá também ali no cruzamento com cada chuva.

      Em resumo: micro-ciclovia, nada de conteiner, nada de coleta seletiva, nada de solução pra enchente, tudo concentrado em um lugar só, e o cara ainda se faz de louco discursando sobre sustentabilidade enquanto derruba árvores.

    • Marcus Brito disse:

      A coleta por containers é feita em cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, não é uma incrível inovação no nosso prefeito.

      • Lise disse:

        além disso, vários catadores foram despensados de seu emprego por causa da “tecnologia” dos caminhões que esvaziam os containers sem precisar de trabalho humano

  3. Marcelo disse:

    Na audiência na Câmara Municipal eu tive a oportunidade de falar e uma das minhas perguntas foi relacionada com esse discurso do prefeito. Pergunteis às “otoridades” presentes se eles podiam me dar o exemplo de cidades que conseguiram reduzir a poluição alargando avenidas. Só obtive silêncio como resposta.

  4. Neli Colombo disse:

    Simplesmente, o prefeito demonstra mais uma vez que não tem a mínima noção do conceito de sustentabilidade, e muito menos de uma “cidade sustentável”.

  5. Pablo disse:

    Offtopic: eles não admitem, mas está ocorrendo uma mudança de padrões de pensamento, consumo e consciência. Veja que interessante!

    http://tazio.uol.com.br/blog/blog-do-tazio/sete-times-da-f1-estao-perto-da-falencia-diz-revista

  6. Ele é tão sustentável que suspendeu a coleta seletiva aqui na região da Bento com a Azenha.

  7. Olavo Ludwig disse:

    1) Ou o prefeito é muito burro, o que tenho quase certeza que não;
    2) Ou ele é muito safado e sem vergonha na cara;
    3) Ou ainda talvez uma mistura bem fedorenta das duas opções acima.
    Desculpa ai caro Prefeito, mas com essa declarações, não temos outra opção.

  8. Pablo disse:

    Os carros podem muito, então arrancamos as árvores, daí eles passam mais rápido e podem menos preservando a natureza… Genial! Forte candidato ao prêmio ignobel.

  9. Os políticos historicamente foram eleitos e reeleitos pelas suas “obras”. Esta mentalidade foi criada na minha infância. Poe historia nisto, já se passaram 60 anos . Logicamente muitos deles deixaram nas cidades do mundo assim como em Porto Alegre a sua MARCA; exemplo o Prefeito Telmo Thompson Flores (nomeado pela ditadura) que deixou todo aquele sistema de entrada e saída da nossa cidade, desde o viaduto da Conceição, até os viadutos da rodoviária e ao qual muitas vezes ouvi elogios que referiam que nunca Porto Alegre tinha tido um Prefeito tão empreendedor pelas obras que tinha feito. Nunca nenhuma pessoa se lembra do Collares pelo Marinha do Brasil e/ou pela Edivaldo Pereira Paiva, fechada para os carros sábados e domingos e que proibia a circulação de ônibus e caminhos em toda sua extensão sempre, mas sim pelo calendário rotativo. Esta mentalidade de obras só lembradas quando elas são destinadas aos carros, se manteve e certamente está no inconsciente do Fortunatti tão presente como está no meu consciente. Tem pessoas que custam a evoluir e perceber o sentido em que o mundo se transforma, porque isto não é tão evidente para alguns. Têm muitas pessoas que não enxergam o conjunto: o mundo deixou de fumar, o mundo tenta por todos os meios reverter os prejuízos que foram produzidos à natureza, o mundo quer ser sustentável, o mundo quer beneficiar a preservação da saúde e não precisar trabalhar para recupera-la que é evidentemente muito, mas muito mais caro, o mundo passou a valorar sua flora e fauna no sentido global e não mais unicamente local. Em fim, o mundo mudou.
    Só quem enxerga é quem tem uma visão ampla, quem teve uma educação humanista, quem viu as recompensas da vida saudável frente aos prejuízos da vida sedentária e solitária, dentro de fortalezas de aço ou tijolo e pedras.
    Não precisa ser inteligente mas sim precisa ter visão ampla e ver que serão muitos mais os que votarão em empreendimentos sustentáveis, que em obras de engenharia civil que nos afastam da sustentabilidade. Acorde Fortunatti o mundo mudou, nos mudamos e estamos aguardando pelo amigo enxergar esta realidade; o tempo e exíguo. Saúde a todos e boas pedaladas.

  10. zigli disse:

    Gostaria que a ciclovia da avenida Ipiranga fosse construída com a mesma rapidez com que está sendo reformada a avenida Beira-Rio ou foram derrubadas as árvores do entorno do Gasômetro. Penso desta forma apesar de todos os problemas para os ciclistas decorrentes de uma ciclovia elaborada com a visão carrocentrista, o que já foi objeto de discussão neste blog. Lembro que a ciclovia da Ipiranga foi prometida para dezembro/2011, depois para agosto/2012 e, por fim, para dezembro/2012. Passada a eleição a obra foi PARALISADA, com aproximadamente 1,8 Km concluídos de um total de 9,4 Km. Não acredito que o Fortunati esteja sendo enganado por assessores e/ou CCs malvados. As atuais prioridades do município são a sua cara. Na verdade está colocando em prática uma política que agrada seus eleitores/motoristas e apoiadores/empresários. E no seu íntimo sonha em governar o estado a partir de 2018. Abraço, tranquilidade e boa pedaladas a todos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s