Grande Massa muito massa

A Massa de fevereiro foi simplesmente…

G R A N D E.

Como convém e se espera da Massa que coincide com o Fórum  Mundial da Bicicleta.

Nem vou ficar enchendo lingüiça tentando descrever o indescritível.

Tem uma foto-reportagem legal no Sul21. Nenhuma foto de cima, que pudesse transmitir uma idéia do número de participantes – que alguns especulam entre mil e 2 mil, outros falam em mais de 2 mil – mas as imagens clicadas por Ramiro Furquim são muito bonitas.

Numa nota pessoal, gostaria de relatar que meu sobrinho de 8 anos (já perfeitamente capaz de pedalar distâncias de 2 dígitos de kms) estreou na Massa, estimulado pela minha irmã que embora tenha trincado uma costela e quebrado um pé, teima em continuar pedalando; e o pai do guri, que é um dos meus outros irmãos, que pilota diariamente um SUV e que outro dia se queixava pra mim da Massa (sem saber que eu fazia parte dela), não teve remédio se não ir pra cuidar do filho. Pra encurtar a história: quando eu vim embora, caindo de cansaço de um dia que começara às 6:30, eles ainda estavam lá no Zumbi, batendo papo, conhecendo gente, se divertindo – tipo mais de uma hora depois de terminado o passeio :-). Será que eles gostaram?

Image

Anúncios

Sobre lobodopampa

Falar de si mesmo é contraproducente. Ah: lobodopampa e artur elias são a mesma pessoa (eu acho).
Esse post foi publicado em Fórum Mundial da Bicicleta, Massa Crítica, Porto Alegre, Sem categoria e marcado , , , . Guardar link permanente.

22 respostas para Grande Massa muito massa

  1. cristina strubinsky disse:

    Maravilha! com os pitocos que as mentalidades comeam a mudar! Parabns! Cristina S.

    Em 23 de fevereiro de 2013 18:56, “V de Bici”

  2. Felipe X disse:

    Acho que vi esse guri! Ele fez todo percurso? Muito legal, tava ótimo mesmo!!

  3. Henrique Borges disse:

    Bom, enquanto fazem este tipo de “passeio” onde param todo o trânsito, milhares de pessoas ficam presas dentro dos ônibus, muito provavelmente voltando de um dia cansativo de trabalho.

    Espero que reflitam sobre isto e mudem o formato dos “passeios” para algo mais inteligente e menos prejudicial para a cidade.

    • lobodopampa disse:

      Oi Henrique. Sua opinião é bem-vinda. Vou me permitir ser quase tão crítico em relação à sua opinião, como você parece ser em relação ao evento Massa Crítica – sem perder o respeito, é claro.

      Primeiro, “milhares de pessoas ficaram presas dentro de ônibus” é um flagrante exagero:

      – milhares de pessoas significaria centenas de ônibus, e a Massa certamente não cruza o caminho de mais de algumas dezenas, em todo o seu percurso

      – quando cruza o caminho de quem quer que seja, a Massa o faz por um período curto – cinco minutos quando ela estiver MUITO grande – o que é um tempo espantosamente curto para passar um número tão grande de pessoas, o que só é possível de se fazer de bicicleta; se fossem 1000 carros ao invés de 1000 bicicletas sim é que ia fazer a cidade sofrer muito

      – no horário que a Massa começa de fato a se movimentar, boa parte das pessoas que trabalha em horário comercial já está em casa ou a caminho

      – as pessoas ficam DE FATO presas em engarrafamentos diariamente, e os motivos disso são em parte fúteis (uso abusivo do automóvel mesmo para trechos extremamente curtos é uma das maiores causas de congestionamento), mas isso não causa espanto nem revolta, simplesmente porque faz parte da idéia que a média da população tem de “normalidade”

      – e agora um exemplo mais contundente: TODAS as sextas e sábados (e não 1 sexta por mês), durante várias horas da noite, ruas como p.ex. a Lima e Silva são completamente OBSTRUíDAS por pessoas e seus automóveis, que estão ali porque querem ir a um bar, possivelmente encher a cara e dirigir depois; essas pessoas deixam DE FATO todo mundo trancado, e não estão indo nem voltando do trabalho, nem muito menos BATALHANDO por uma CIDADE MELHOR; mais uma vez, como isso faz parte da visão de “normalidade” aceita pelo cidadão mediano, e especialmente porque faz parte da Cultura do Automóvel, tal comportamento e tais incômodos à população são inteiramente aceitos, não se tornam alvo de reportagens detratoras, nem de tentativas de criminalização como acontece com a Massa.

      A mim me parece que o custo-benefício da Massa para a cidade – se você entender que a Massa é muito mais do que um simples passeio – é muito bom.

      Cada um com suas escolhas.

      • Henrique Borges disse:

        Caro, concordo com 95% do que escreveu. Quem me conhece, que não é o teu caso, sabe que sou um crítico ferrenho ao uso indiscriminado de automóveis e ao financiamento público deste ato. Agora, minha crítica ao formato da manifestação permanece inalterado, mas isto não quer dizer que eu ache normal carros praticamente bloqueando uma via como a Lima e Silva nas noites de finais de semana – algo que conheço bem de perto.

        Sei que aqui existe essa cultura de ser totalmente contra ou totalmente a favor, mas não compactuo com isto a não ser que eu realmente seja totalmente contra ou totalmente a favor – algo muito difícil de acontecer.

        Agradeço pela resposta pois certamente agregou muito para mim. Abraço!

      • Felipe X disse:

        É, essa discussão é complicada, eu também já foi contra e hoje em dia participo do massa. Tem gente que se estressa mas também vi pedestres nas calçadas sorrindo quando a gente passa, alguns motoristas buzinando comemorando e assim vai.

        Na minha opinião é meio inevitável qualquer manifestação causar algum tipo de transtorno para alguns, mas convívio em sociedade é assim mesmo. Desde que todo mundo se respeite sempre vale!

      • lobodopampa disse:

        Valeu Henrique e Felipe, pontos de vista diferentes são apenas isso, pontos de vista, são todos facetas da realidade e a diversidade ajuda a gente a lembrar que sempre existe algo mais do aquilo que cada um vê.

  4. Pablo disse:

    Belo relato! Veja como os os filhos, que conseguem absorver um monte de informação sem preconceito já entenderam para onde se deve seguir e acabam influenciando os pais.

  5. Henrique Borges disse:

    Bom, enquanto fazem este tipo de “passeio” onde param todo o trânsito, milhares de pessoas ficam presas dentro dos ônibus, muito provavelmente voltando de um dia cansativo de trabalho.

    Espero que reflitam sobre isto e mudem o formato dos “passeios” para algo mais inteligente e menos prejudicial para a cidade.

  6. Cauê B disse:

    Também estreei na Massa Crítica de ontem. Foi foda em demasia. Demais mesmo.

    Parabéns para todos que presenciaram.

  7. Muito bacana o relato fico chateado de não ter participado mas o trabalho foi demais na sexta, saude

  8. Rafael Serrão disse:

    Existe algum site ou blog que divulgue cada Massa Crítica?

    Por exemplo, tivemos ontem a bicicletada Pedalando e Cantando, e não vi em nenhum lugar algum anúncio da mesma.

    Obrigado,

    Rafael

    • Felipe X disse:

      As massas não são organizadas por um grupo específico, então fica a cargo do pessoal que vai em uma divulgá-la. Se quiser mandar algum texto para o site podemos publicar 😉

    • Marcelo disse:

      Oi Rafael,
      Esta pedalada era uma atividade do FMB, e estava divulgada no site dele. Nós aqui ajudamos a divulgar o Fórum Mundial da Bici, mas não tivemos tempo para divulgar as atividades individuais.

    • Marcelo disse:

      Ah, é preciso ressaltar a diferença entre Massa Crítica e qualquer outra pedalada. A Massa Crítica é uma pedalada que acontece toda última sexta-feira do mês, os outros passeios não são “massas críticas”. 🙂

    • heltonbiker disse:

      É comum as pessoas criarem eventos no Facebook, frequentemente usando algum nome “temático” para a Massa Crítica, como “massa do bigode”, ou “massa dos desqualificados”, etc., como sugestão temática para fantasias ou panfletos (os quais, na prática, são pouco presentes). Mesmo havendo esses eventos, a Massa propriamente dita é sempre a mesma, no mesmo horário e local: última sexta do mês, saída 19h, Largo Zumbi dos Palmares.

  9. heltonbiker disse:

    Na entrada da Calçada da Fama, contei seiscentos e poucos (seiscentos e cinquenta no máximo) participantes. Mesmo assim, é incrível como de fato pareciam MILHARES de ciclistas. Novamente, uma Massa Crica temática incrível!

  10. Beto Flach disse:

    Gostei do relato.

    Quero fazer umas considerações quanto ao número de ciclistas participantes.

    Muitas vezes não temos algo mais preciso para auferir quantas pessas participaram. Se houvesse um vídeo com todo mundo passando em algum dos pontos, eu me disporia a fazer uma contagem “mais razoável” pois, na Pedalada Cantante, eu contei 265 participantes, antes de passar sob o viaduto da João Pessoa e eu diria que, em relação à Massa Crítica, o público participante devia ser, NO MÍNIMO, umas 8 vezes menor (pra ser ultra-razoável).

    Ano passado, na Massa do FMB 2012, registrei que, seguindo pela Praia de Belas, quando a frente do grupo chegou à Av. Ipiranga, os últimos estavam cruzando pela praça entre o Shopping e a FDRH. São aproximadamente 480 metros de pista (linear).

    Neste ano (2013), Fiquei aguardando perto do Shopping pra ver quando os primeiros chegariam à Ipiranga e saí “disparado” pra encontrar o final, pedalando pela pista do outro lado (sentido centro-bairro) e qual foi minha surpresa ao ver que os últimos estavam cruzando pela Botafogo. São 650 metros de pista deste ponto até a Ipiranga.

    Sem considerar quanto o grupo andou enquanto eu percorria 340 metros para poder ver onde estavam as viaturas, atrás do grupo, seguramente, na Praia de Belas, pode-se afirmar que a Massa Crítica ocupou um espaço de 780 metros (no mínimo) de pista linear.

    Segundo dados levantados pelo GEIPOT (achei comentado na internet…), 150 ciclistas ocupam 375 m^2 de via (http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=501443). Utilizando-se, na Praia de Belas, uma largura útil de 8 metros, teremos uma área de 780m x 8m = 6.240 m^2 que, dividos por 375 m^2 e multiplicados por 150 pessoas daria uma estimativa de 2.496 pessoas nesta Massa Crítica.

    Bueno, o tempo é curto pra elaborar melhor, mas fica este registro pra quem quiser refletir. Claro que tudo pode mudar, principalmente se consideramos a concentração, quem também tem a ver com velocidade, etc., o Helton tem muita propriedade sobre o assunto!

    Abraço.

    • heltonbiker disse:

      Eu contei, meio por cima, “aos punhados” (de cinco em cinco, tentando errar pra menos) e deu 650 ciclistas na entrada da Calçada da Fama. Não diria que é pouco, pelo contrário. Por outro lado, me parece que já houve Massas com mais de mil participantes, sempre associadas a algum momento especial, como algum protesto ou o Fórum.

  11. Júlio disse:

    A Massa foi massa! O único senão é aquele cara que tem uma puta buzina na bike e fica O TEMPO TODO tocando ela, inclusive em frente a hospitais…o cara é muito xarope…vi que vários participantes, entre os quais eu me incluo, saíram de perto tamanho o incômodo causado pelo barulho…isso já foi até tema de algum post (acho que aqui mesmo no vadebici)…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s