Ciclovia da Ipiranga Garoando (por Jose Antonio Martinez)

História de como acontecem os fatos e não percebemos os anúncios que nosso cérebro decodifica.

Garoa em Porto Alegre, volto para casa são quase meio dia, sempre de bicicleta; por que não usar a nossa nova ciclovia da Ipiranga? Então vamos.

Garoa um pouco e já choveu mais, hoje quarta já estava anunciada esta chuva, mas, era para ser maior, só ficou no chuvisco.

Me chamam a atenção as poças de água e penso, que estranho já há poças de água com tão pouca chuva (primeiro sinal), e até me questiono, mas, como pode uma ciclovia recém inaugurada, já estar com este problema?

Cruzo a Avenida Getúlio Vargas seguindo o sinal para bicicletas após esperar alguns minutos.

Fico confuso ao ver que apesar do trânsito de uma das mãos da Avenida Getúlio Vargas, estar parado, ainda não abre a sinaleira de ciclistas, ok aguardo.

Observo que tem uma infinidade de cartazes nestas esquinas praticamente dentro da ciclovia em postes colocados perigosamente perto dela(segundo sinal).

Continuo pela ciclovia em direção à Edivaldo Pereira Paiva e na próxima esquina temos o cruzamento com a Múcio Texeira.

Ao longe vejo uma mulher caminhando pela ciclovia, penso “que saco vou ter que evitar assustar ela, vou ir devagar” mas o meu devagar é 20 quilômetros por hora.

Chego perto da esquina, ultrapasso a cidadã que caminha pela ciclovia, e me apronto para frear, com freio unicamente traseiro, exatamente na esquina existe um declive lateral muito pronunciado, ao frear a minha bicicleta escorrega na pista da ciclovia molhada e pintada com um esmalte que escorrega mais que lajota barata, a bicicleta sai totalmente debaixo de mim, dou uma volta no ar caio estatelado escorregando e adivinhem quem me SALVA(?) o poste da esquina, que avisa ser proibido dobrar a esquerda, me detêm com uma pancada na cabeça.

Doem-me bastante a cabeça, muito o joelho e a alma, horrores, de ver como as coisas são feitas erradas, com total impunidade, e ainda de eu não ter processado os sinais que, meu cérebro detectou, de perigo.

E agora José?

Fico a lamber as feridas físicas e espirituais que esta experiência me deixou.

Só posso avisar vocês a ciclovia é um depósito de água quando chove, mas a EPTC não pedala quando chove, nem quando faz calor, etc. Ainda os postes estão lá para indicar o perigo aos motoristas e os ciclistas que se lixem, só que se eu não estivesse de capacete certamente estaria com um belo traumatismo de crânio, HPS, no lugar da dor imensa que estou na cervical.

Aí gente da EPTC não se pinta ciclovia com esmalte sintético, que escorrega quando chove e bicicleta tem só duas rodas, cadê a observação e a experiência pessoal do projetista? E não se colocam postes, para nada, próximos a ciclovias.

Elementar  meu querido Watson, só eles que não sabiam e eu, que apesar de saber, fui la para tentar usar uma coisa que não foi bem feita.

Agora, fazer um desnível de 30 centímetros em 50 centímetros, numa ciclovia, pintar ele com tinta esmalte e ainda colocar um poste de anuncio ao lado é para iniciantes mesmo; e nós velhos experientes, ainda usarmos esta josta é demais; só resta chorar.

JOSE ANTONIO MARTINEZ

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

32 respostas para Ciclovia da Ipiranga Garoando (por Jose Antonio Martinez)

  1. 3 palavrinhas:

    1. Third
    2. World
    3. Country

    O negócio, José, é largar esse país de mão. O Brasil aqui deu errado. Isso é fato. Só nos resta chorar ou fazer algo a respeito (nesse caso, mudar de país).

    #ficaDica

    • Faz 37 anos vim para Pasargada e não era amigo do Rei, não acho que errei vim para o pais dos brasileiros, das pessoas de bem , trabalhadoras e honestas e não serão alguns descaminhados que me farão sair, caro Fernando e vou te dizer não desiste este pais é maravilhoso e as pessoas são demais só alguns políticos estão fora do esquadro, mas todos juntos podemos enquadrar eles, saúde Martinez

      • artur elias disse:

        valeu pela aula de brasilidade!

        só podia vir de alguém que ESCOLHEU o país onde vive,
        não nasceu nele, por acaso.

      • Sim, há quem goste. Se se contenta com a mediocridade, fique no Brasil. Essa é a mensagem.

      • Fernando, nada é mediocre no Brasil, todo o que o povo faz é excelente alguns caras tentam nos impingir uma visão ruin de todo para com esta nebulosa os verdadeiros culpados ficar impunes, fica frio, olha como é bom o Brasil, só temos 500 anos e o comparamos com países com mais de 5000 ou 6000 anos de historia conhecida, que até final do século XVII ainda se comportavam como bárbaros selvagens e hoje querem ser modelo, justamente alguns são em algumas coisas em outras não. Não existe pais absoluto, posso te garantir.

    • Pra encerrar, deixo aqui um vídeo para a sua apreciação.

      Abraços.

      • Fernando Pavão disse:

        Hahahaha! Belo vídeo.

        Mas parem de ser ufanistas ou preconceituosos contra algum país. Pessoas são pessoal em qualquer lugar, aqui é pior que por causa da pobreza e da desigualdade, e não por que o povo é ruim (aliás, bota preconceito nisso).

        Já pensei muito em fugir daqui, mas acho que o melhor é ficar e tentar fazer minha parte pra melhorar um pouco.

      • De barriga cheia todos somos melhores e mais cultos. Abraço Martinez

    • Marco disse:

      Fernando
      Largar o país pode não ser tão simples pra muita gente, mesmo não gostando dele. Somos o produto do meio, mais aspectos genéticos e particularidades econômicas. Sair daqui requer boa dose de várias coisas, entre as quais: aventura, dinheiro, objetividade, competência e determinação, além da reciprocidade pra outras culturas que já se depreende que se tenha quando se pensa em ir embora. O ponto de vista de quem escolhe o país que mora, salvo arrependimentos, naturalmente tende a ser positivo. Mas os filhos ou netos de quem escolheu o país podem pensar diferente (esse é o meu caso e de muita gente… ). De qualquer modo, pensar diferente é direito de todos e tratar bem os demais vejo como obrigação moral e distintivo da não mediocridade que seria simplesmente ceder ao impulso natural da impaciência. Salute!

  2. Felipe X disse:

    Lamentável.

  3. Claudio disse:

    Isso leva-me a uma outra constataçao, nao diretamente relacionada mas pertinente. È em relaçao aos tipos de freios e o seu uso. O Martinez usando uma bici de freio torpedo (contrapedal), ou freio convencional só o traseiro, nos mostra que saber usar o tipo de freio que se tem e as circunstancias de uso podem fazer a diferença entre a ocorrencia de um acidente ou nao. As bicicletas tipo speed geralmente perdem muito a eficiencia com a chuva, e o tipo torpedo (contrapedal), tambem requer cuidado pois nao há um equilibrio de pressao entre as rodas dianteira e traseira. Bem como as fixas tambem requerem uma pratica e destreza no uso tambem, mais ainda na maneira de conduzir pelo fato do pedal continuamente estar em movimento,(o que pode ser perigoso em curvas e próximos de cordao de calçada, mais ainda do que com uma bicicleta de roda livre) como na maneira de parar a bicicleta com o auxilio de um freio dianteiro ou nao. Bem como as de freio a disco mecanico ou hidraulico tambem tem um tempo de adaptaçao devido a rapidez de resposta que pode provocar sustos ou voos repentinos. È só uma reflexao sobre detalhes que podem fazer diferença no dia a dia. Um abraço pra ti Olavo. Do Claudio da zona norte temporáriamente ou nao ex ciclista.

  4. Aldo M. disse:

    Muitas vezes eu passo por radical demais por causa das minhas opiniões. Não me importo, Tenho orgulho de ser radical, quando consigo. Isso que essa desafortunada prefeitura fez simplesmente NÃO É UMA CICLOVIA. Trata-se de uma coisa que tem o único propósito de parecer uma ciclovia sem tirar espaço dos carros, ou seja, é apenas uma obra cenográfica. Assim, pintaram-na de vermelho brilhante e encheram de bonitas placas e semáforos pictóricos de leds.
    Uma ciclovia de verdade jamais teria características como essas, que não permitem utilizar a bicicleta como meio de transporte seguro e eficiente. Nem ao menos é marginalmente melhor que simplesmente não se ter feito nada, não justificando assim um centavo sequer do que foi gasto.
    O primeiro grande erro, e que esta prefeitura de araque insiste em continuar cometendo, foi não dialogar com a população, os potenciais usuários. E não fizeram isso porque simplesmente não são gente séria.

    • heltonbiker disse:

      Aldo, como alguém que circula frequentemente por ali, posso te garantir que a ciclovia é MUITO MAIS QUE MARGINALMENTE melhor do que ciclovia nenhuma. Como disse o autor do post, em seus comentários sobre nosso país, que também se aplicam à ciclovia, não vamos deixar que pequenos problemas comprometam a visão do todo. O que deve ser feito, sim, como tu fazes e muitos fazem, é exigir que não nos seja entregue algo que esbarra no mínimo, como esmola, ou algo que está 90% bom, mas que por culpa de 10% ruim acaba ficando 90% ruim, como é o caso. A propósito, os declives laterais são regulamentados pela AASHTO e outras, e evidentemente na esquina da Múcio esse declive lateral está muitíssimo acima do máximo permitido.

      • Aldo M. disse:

        Ela tem funcionado como uma ciclovia para treino de novos ciclistas nos fins-de-semana. Também é muito boa quando se está sozinho pedalando, mas os cruzamentos no contra-fluxo mais parecem roletas-russas. A partir de um fluxo ainda baixo de ciclistas, ela se tornará simplesmente inútil pela pouca velocidade que se poderá imprimir, insuportavelmente desconfortável pela necessidade de desviar obstáculos, ciclistas e pedestres, além de perigosa. Neste momento, não haverá mais a opção de transitar no leito da via, que será de domínio exclusivo dos carros que já ameaçam ciclistas que “não sabem qual é o seu lugar”.
        E, além de tudo, fico furioso quando vejo que um amigo sofreu um acidente por conta de todo esse descaso e irresponsabilidade do nosso governo municipal.

  5. Henrique Geremia Nievinski disse:

    Realmente essas poças são um absurdo. Logo na primeira chuva da ciclovia elas já estavam lá pra reafirmar a falta de cuidado no projeto. Estando do lado do Arroio, seria muito simples de escoar a água apenas colocando uma inclinacao mínima no pavimento. Mas perto dos “erros” grosseiros já listados aqui no blog, antes mesmo do primeiro trecho ficar pronto, as poças ficam até desapercebidas.

    Alguém sabe se o Martinez entrou com algum processo contra a prefeitura depois disso?

  6. alexandre disse:

    E ainda tem pessoas que defendem a utilização deste remendo. E o MP não se manifesta? Larguei.

  7. Pablo disse:

    Acho que a prefeitura está tratando com muito desleixo o sistema cicloviário. Não há algo que possamos fazer? Talvez ação coletiva contra a Prefeitura ou algo assim… deve haver algo.

    • heltonbiker disse:

      Vamos fazer um protesto e trancar a Ipiranga. Ou alguma(s) das transversais. Ou um dos cruzamentos. Quero ver se não vai “dar o que falar”.

      • Pablo disse:

        Eu estava pensando em algo mais cirúrgico, como cada um de nós mover uma ação contra a prefeitura… vai chegar uma hora que a justiça vai encher o saco de ficar lendo processos ou algo assim.

        Ou então cada um de nós dá 5 pilas e pagamos um auditor e enviamos o relatório para todos os meios de comunicação…

      • Marcelo disse:

        Curti todas idéias, contem comigo pra qualquer uma delas.

      • Pablo disse:

        Quanto será que custa para contratarmos um engenheiro especializado em obras públicas e produzirmos um vídeo assim?

        Acho que se cada um de nós contribuirmos com uns 10 reais daria para fazer uma analise criteriosa e e produzir um belo relatório, incluindo a sacanagem da Prefeitura de não aplicar os 20% e de quebra um vídeo como esse para divulgarmos. O que vocês acham?

  8. Fernando Filho disse:

    Desculpa o offtopic, mas não vai rolar MC amanhã, como foi no ano passado?

  9. Artur como sempre obrigado pela consideração, mas o Brasil foi quem me deu de comer minha guerra não é contra ele é sim contra alguns que deturpam o que realmente somos.
    Como falou meu caro amigo Jack, vamos por partes; caro amigo Cláudio minha bicicleta é uma MTB com pneu largo 2.20 . Como vou todos os dias ao trabalho de bicicleta nos últimos 4 anos tive tempo suficiente para enfrentar todas as situações e bobagens que certamente podia cometer; inclusive em qualquer tipo de terreno. A mountain bike com suspensão dianteira travada, como eu estava usando e acionando unicamente o frei traseiro ela literalmente senta na rua ou no lugar que ela estiver só que se o lugar for um sabonete ela senta e sai com a mesma velocidade. A minha burrice foi não ter percebido que estava numa ciclovia que não escoa a aguar por sua superfície não ser porosa, fato este que meu cérebro percebeu mas que eu não dei a suficiente importância. Ainda neste declive pronunciado chegar freando para poder evitar longe a pedestre que ia na, foi o suficiente para produzir a queda. O que acho que devemos sim obrigar a Prefeitura a trocar idéias e eles não gostam disto e continuam numa arrogância absurda, e eles não são todo isto.
    A Eng. Lisandra, da EPTC, foi uma das pessoas que melhor me impressionou deste grupo mas acredito pelo que vejo que não é permitido a ela exercer a sua função como ela gostaria, esta é a minha impressão de velho observador; acredito que ela esteja sendo tolhida pelas chefias arrogantes das quais depende.
    Henrique não vou processar porque quem paga um processo destes somos nos, tu eu e todos e os culpados jamais pagam porque estão exercendo uma atividade pública; enquanto a lei não mudar isto para mi é religião.
    Veja que nem o Olavo o fez, quando quebrou a perna, por insensibilidade e descumprimento da lei, da empresa que constrói o alargamento da Avenida Edivaldo Pereira Paiva; ao não colocar os cones obrigatórios, para desviar o trânsito de pedestres e ciclistas pela beira da via, que estava sendo submetida à conserto e estava intransitável. Abraço a todos e saúde, Martinez

    • Marcelo disse:

      Acho que deveríamos de alguma forma exigir que a EPTC apresente estudo garantindo que a tinta utilizada sobre o asfalto nas ciclovias não aumenta as chances de derrapagem em caso de chuva.

      • Marcelo disse:

        Acabei de exigir estudo que comprove a segurança dessa tinta para pintar o asfalto através do Serviço de Informações ao Cidadão, agora eles tem no máximo 30 dias para me dar uma resposta.

        Sugiro que mais pessoas façam o mesmo: http://www1.portoalegre.rs.gov.br/falaportoalegre/sic/solicitaCidadao_old.aspx?Codigo=73090

      • Aldo M. disse:

        Em Sampa, a ciclovia da marginal Tietê foi pintada com tinta vermelha misturada a micro-esferas de vidro para preservar a aspereza da superfície. Na Holanda, o asfalto em si é colorido, dispensando pintura. Outra opção mais que óbvia é simplesmente não pintá-la, o que esta previsto no Código de Trânsito (mas nos cruzamentos, a travessia deve ser obrigatoriamente vermelha). Então, há várias maneiras certas de fazer. É só seguir normas, copiar de bons exemplos e não pintar por critérios de marketing.

  10. Bacana Marcelo, ja é uma ação e muito importante; não tinha pensado nisto. Abraço e saúde Martinez

  11. Fabio Neves disse:

    Não és o primeiro a se estrupiar na ciclovia em “dia chuvoso”. Meu amigo levou um tombo na transição do asfalto preto para o vermelho na av. Praia de Belas e, devido a isso, teve uma subluxação da clavícula.

  12. Aldo M. disse:

    Ocorreu-me uma ideia para protestarmos contra essa lamentável ciclovia: ajudar a sinalizá-la alertando dos seus riscos para evitar que os ciclistas se acidentem. Pensei em satirizar com placas ou avisos tipo: “Pista escorregadia com chuva”, “Pedale devagar – Ciclovia Perigosa”, “Pare antes dos estreitamentos”, “Cuidado – ciclovia compartilhada com pedestres”, “Aguarde o sinal verde. Continue aguardando”, “Pare nos cruzamentos”, “EPTC alerta: ciclovia não é pista de corrida”; “Ciclovia de recreio”, “Evite fazer ultrapassagens”.

    • Pablo disse:

      Boa ideia! Podemos começar com algo mais suave, do tipo “Pare antes dos estreitamentos” e quando a EPTC já estiver mais acostumada colocamos os “Pedale devagar – Ciclovia Perigosa”

  13. disse:

    eu tomei um tombo na ciclovia exatamente assim tb!!! não foi numa esquina, mas foi do mesmo jeito, acionei o freio, saí deslizando e caí. sou parceira de qualquer das ações propostas acima!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s