Fora da Ciclofaixa

Um ciclista em Nova Iorque foi multado por pedalar fora da ciclofaixa. Resolveu fazer um vídeo a respeito.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

16 respostas para Fora da Ciclofaixa

  1. Felipe X disse:

    Já conhecia, vejam todos vídeos dele, são muito bons.

  2. Adriano disse:

    Se tem ciclofaixa, a grande queixa dos ativistas, e não usa, tem que multar mesmo. E tem que ser multa pesada.

  3. Aldo M. disse:

    O que o Adriano disse é exatamente o que a indústria do automóvel quer que pensemos: os carros têm prioridade de tráfego nas vias, e os sem-carro (pedestres, ciclistas, transporte coletivo) devem ficar confinados aos espaços a eles sinalizados.
    Trata-se de uma inversão da norma legal. Tomando como exemplo o caso dos ônibus, foram criados corredores exclusivos para que tivessem uma faixa livre de automóveis. O conceito foi corrompido, confinando uma quantidade excessiva de ônibus nos corredores e proibindo-os de utilizar as faixas “dos automóveis”, frequentemente menos congestionadas (caso típico da Av. Farrapos).
    A solução para esses dilemas de divisão do espaço é simples: basta usar a regra democrática onde todos os cidadãos teriam direito ao mesmo espaço, ficando livres para escolher o modo de transporte. Porém, os que quisessem usar meios de transporte mais volumosos, como automóveis, deveriam dividir o espaço entre si e não como os demais usuários que usam o espaço urbano de forma racional.

  4. artur elias disse:

    Me parece que estamos misturando demais alguns assuntos.

    O vídeo mostra – de maneira criativa – que as ciclofaixas de NY são alvo de desrespeito em alto grau e com enorme freqüência. As ciclofaixas se tornam intransitáveis. Ou ao menos essa é a principal alegação do autor.

    Depois de passar por isso muitas vezes, é natural que o ciclista desconfie ou mesmo desista delas. Além do “simples” fato da obstaculização física, tem o natural sentimento de REVOLTA e impotência perante o desrespeito e impunidade alheios. Qualquer ciclista que TENTA usar as pouquíssimas “ciclocoisas” de PoA conhece esse sentimento MUITO bem.

    Então, a denúncia dele parte da seguinte tese:

    – multar ciclista por não cumprir uma obrigação que é impossível de ser cumprida – em virtude do fato que outras pessoas (inclusive uma viatura policial) estão descumprindo as suas, e NÃO estão sendo multadas – é algo ABSURDO.

    Pessoalmente não vejo alternativa a não ser concordar totalmente com essa tese.

  5. artur elias disse:

    Se eu quisesse procurar piolho em cabeça de cobra, e fazer uma crítica rigorosa (e desnecessária) a este vídeo, eu diria que o autor perde alguns pontos no seguinte:

    – quando afirma que “está fazendo uma favor ao mundo” por se locomover de bicicleta, ele se coloca numa posição superior. É o que se chama de “self-righteous attitude”; um tipo de presunção, de arrogância que ainda que bem-intencionada, e até respaldada por um raciocínio não totalmente incorreto, JAMAIS gera bons frutos.

    – ao pedir o dinheiro da multa de volta, ele transmite não-intencionalmente 2 coisas: 1) que está preocupado com os 50 dólares perdidos, quando na verdade o que está em jogo é algo muito maior; 2) pode ser interpretado (como alguns comentaristas fizeram acima) como o desejo de estar acima ou fora da lei – mesmo que o sistema como um todo fosse justo (e estamos vendo que não é).

    Ninguém é perfeito.

    Eu acho que o vídeo tem uma eloqüência muito boa.

  6. Aldo M. disse:

    Objetivando, ficou muito preocupado com essa dubiedade suscitada pelo próprio texto da nossa lei, que parece ser similar à americana. Mas as consequências são piores aqui, onde muitos se acham no direito de aplicar “penalidades” (finas) nos ciclistas que estariam, na visão deles, desrespeitando a lei ao trafegar fora das ciclovias.
    E nossos gestores municipais de trânsito, ao afirmar que retirarão as placas “ciclistas” nas vias em que fossem concluídas as ciclovias, me parecem estar botando ainda mais lenha nessa fogueira.
    Na Europa, existe sinalização diferenciada nos casos do uso das ciclovias ser obrigatório ou não e ainda abre exceção para as bicicletas de carga, que devem transitar no leito da via.
    Eu quis, no meu outro comentário anterior, aproveitar a opinião pouco refletida do Adriano, pois ela é comum a muitas outras pessoas, e chamar a atenção para a questão principal: a divisão do espaço urbano para circulação dos diversos modais, que o vídeo aborda de forma muito inteligente.

  7. Aldo M. disse:

    errata: é “fico”, e não “ficou”, como escrevi

  8. Ricardo disse:

    Comentário não pertinente ao vídeo,mas que vale o registro:o shopping Iguatemi também não permite circular de bicicleta nas suas dependências.

    • Aldo M. disse:

      Mas não há placas indicando isto na entrada, hã? Pelos comentários que leio, nos shoppings, os ciclistas ficam sabendo da proibição ao serem constrangidos pelos seguranças para desmontarem da bicicleta. Então, o caso vai muito além de uma simples proibição.

    • Felipe X disse:

      Exato. E o BarraShopping faz a mesma coisa. Fui abordado pedalando pela pista de asfalto, bem na direita, depois de consumir no shopping pois não me abordaram na entrada.

      Como no Brasil bicicleta é coisa de chinelão e shopping e coisa fina…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s