Carrocentrismo avança: mais espaço para os carros no centro de Porto Alegre

Dentro do projeto de “revitalização” do centro de Porto Alegre, a prefeitura está incluindo a abertura da Rua José Montaury para carros, permitindo a circulação e estacionamento destes à noite.

Talvez a mera circulação de carros naquele local à noite, contanto que não seja antes das 22h e seja absolutamente proibida de dia, não seja tão maléfica pois o fluxo de pedestres ali é bem menor neste horário. Mas o simples fato da administração municipal gastar milhares de reais para abrir uma rua para os automóveis quando poderia investir este mesmo dinheiro para qualificar o transporte público ou criar novas ciclofaixas e ciclovias expõe o pensamento absolutamente carrocêntrico da atual administração, que não consegue visualizar uma revitalização sem incentivar o deslocamento em automóvel particular, o oposto da tendência mundial de restringir a circulação e o espaço destinado aos automóveis.

Isto sem contar o fato de que, com o rebaixamento da rua e a criação de um meio-fio, cadeirantes terão que deslocar-se até até a rampa mais próxima para cruzar a rua, se a imagem acima for precisa pode significar dezenas de metros a mais no trajeto.

Abaixo coloco algumas imagens de cidades mundo afora que estão removendo espaço dos automóveis e criando espaços exclusivos para pedestres e ciclistas.

Em Nova Iorque, projeto prevê redução do espaço para automóveis e aumentos dos passeios públicos, com mais espaços para pedestres e inclusive para mesas de restaurantes e cafés.

No bairro Hackney, em Londres, rua é fechada para carros e transformada em ciclovia, sem alteração nenhuma na estrutura, apenas instalando barreiras para os carros.

A mesma rua de Hackney antes das alterações.

De novo em Nova Iorque, em pleno Times Square, espaço removido dos automóveis e transformado em ciclovia.

Parque de quatro hectares foi criado no centro de Boston, no local onde ficava um viaduto.

Aqui o mesmo local em Boston antes. Imaginem este tipo de transormação onde fica o viaduto da Conceição em Porto Alegre, mas a prefeitura planeja construir ainda mais um viaduto na região da rodoviária.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

16 respostas para Carrocentrismo avança: mais espaço para os carros no centro de Porto Alegre

  1. Fabian disse:

    Eu não consigo entender por que abrir um espaço para carros ali. Mesmo a noite, se é para revitalizar, colocar mais iluminação e segurança, que seja para as pessoas terem opção de lazer ali e não espaço para carros, sujeira e barulho.

    Bah.. essa imagem de Boston é demais, imagina aqui em Porto Alegre, o quanto ia “saltar aos olhos” o belo e escondido prédio da Tumelero ali na região…

    • Aldo M. disse:

      Se o Fortunati vir as duas fotos de Boston, vai pensar que a dos viadutos foi uma revitalização daquele canteirão abandonado da outra foto.

  2. Felipe X disse:

    Aqui em POA se faz o contrário de Boston, Fabia. Dê uma olhada no monstrengo de viaduto que estão fazendo na Bento.

  3. Jeferson disse:

    Viadutos dentro da cidade são inúteis. Pode botar tudo abaixo, o trânsito vai seguir na mesma situação ou até melhor.

  4. André Gomide disse:

    Parece que estava pressintindo…
    Viva…sabia que tinha que “inaugurar” a minha vida de ciclista autentico….estava preocupado, nunca havia caído… agora sou estatística.

    Na terça feira retornando do trabalho na zona norte , assis brasil em frente a igreja são josé, ao sinalizar para os motoristas que iria ingressar em uma rua com mão direita, eis que surge um buraco( tampa de boeiro – no meio do caminho tinha um buraco, tinha um buraco no meio do caminho…heheheh) logo abaixo do automóvel que vinha a frente…obviamente não tive tempo de colocar as duas mãos no guidom como sempre faço, conclusão:
    Dei muita sorte… o motorista que vinha atrás estava atento ao meu sinal e teve tempo de parar seu carro. O motoqueiro que tentava “ganhar ” por fora encostou o escapemento no meu capacete.

    Depois de algumas escoriações, bem doloridas por sinal, e um braço com suspeita de ruptura de algum ligamento, pois não para de doer(acho que o médico exagerou), chego a conclusão de não temos mais ruas em POA… somente buracos com alguns pontos de asfalto.
    Estou cansado de perceber como algumas regiões da cidade estão abandonadas.

    Não tenho o mesmo direito de ter uma rua para transitar em condições iguais as da Nilo pecanha?
    As crianças que estudam na escola municipal Liberato Salzano não tem direito a ter uma calçada e sinalização em condições iguais e fartas as que vejo em frente ao Colégio Anchieta?

    Não quero uma caixa as bruxas, quero apenas que as pessoas parem e reflitam sobre como realmente a cidade está sendo tratada pelo atual governo e por quem está se candidatando para tentar suscede-lo.

    Desculpem-me pelo desabafo , depois conto como foi o atendimento no Cristo Redentor ontem e pq passei a entender o motivo que fez aquele cidadão perder a paciência e quebrar o vidro da recepção semana passa…aquele que acabou preso.

    • André Gomide disse:

      “cassa” e não caixa

    • Aldo M. disse:

      Lamentável o absoluto desprezo pela vida dos cidadãos “não qualificados”, André. Eu e minha filha acabamos de ver um motoqueiro acidentado com muita gravidade na Vicente da Fontoura quase esquina com a Bento. Quando me dei conta estava passando ao lado dele. A Samu ainda não tinha chegado, mas havia duas viaturas da EPTC que, com bastante eficiência, organizaram o trânsito tão bem que passei por ali com mais facilidade que nos outros dias. Ou seja, o mesmo roteiro absurdo que presenciamos naquele atropelamento no outro domingo no Gasômetro – a prioridade absoluta da Prefeitura é o fluxo dos automóveis.

  5. Pablo disse:

    Parabéns pelas imagens, mostram muito claramente o que é uma cidade para pessoas e o que é uma cidade para carros.

  6. Olavo Ludwig disse:

    Bah, a imagem de Boston, nos lembra muito a Bosta do viaduto/túnel da conceição.

  7. Aldo M. disse:

    Aquela rua de Londres que foi fechada, aqui seria “revitalizada” pelo Fortunati carrólatra. Ou seja, ele iria estreitar a calçada em vez de fechar a rua. E se reivindicássemos ciclovia, pintaria o resto da calçada de vermelho e a inaugurava pedalando na contra-mão. “Pedestre? Que pedestre? Garanto que é aquele candidato a vereador da oposição que vive botando defeito nas minhas obras!”

  8. Leandro disse:

    Chega a ser cômica as comparações. Vocês sabem o custo da obra em Boston? Alguém parou para pensar na extensão dos metros das cidades citadas? hahaha, por isso ninguém leva vocês a sério.

    Só para ilustrar:

    http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2707200308.htm

    Imagine como seria derrubar o Minhocão que corta o centro da cidade de São Paulo e construir em seu lugar um longo túnel, com um grande jardim em cima.
    Pois é essa a idéia da revolução que Boston começou a concretizar neste mês, quando iniciou a destruição de uma rampa da via elevada que atravessa sua região central. O plano é concluir até 2005 a reconstrução de seu sistema viário, maior obra pública da história dos EUA -mais custosa que o canal do Panamá.

    • Marcelo disse:

      Leandro, tens uma crítica muito seletiva.

      Disseste que as comparações são cômicas citando o custo da obra em Boston. Bem, dos exemplos que eu citei no post o de Boston é o único cujo preço da obra é desproporcional ao que será gasto aqui em Porto Alegre. Em Nova Iorque e Londres, as mudanças que mostrei são provavelmente de custo semelhante ao que estão propondo para a José Montauri e Andrade Neves. Imagino até que o que foi feito em Londres seja muito mais barato visto que só isolaram a rua.

      Não sabia que esta obra de Boston incluía a construção de todos estes túneis, mas agora que sei acho um absurdo gastarem todos esses milhões nisso. Poderiam investir todo esse dinheiro em transporte público e simplesmente reduzir o espaço dos automóveis.

      A extensão das cidades não vêm ao caso, medidas de traffic calming e restrição do uso do automóvel vêm sendo também implementadas em diversas cidades da Europa continental, muitas das quais menores que Porto Alegre.

      • andre gomide disse:

        hehehe….põe seletiva.
        mas confesso que se as ruas de poa tivessem um asfalto de melhor qualidade já estaria bem contente e sem dor.

  9. Rudah disse:

    Enquanto eu considero que para POA seria muito mais interessante remover aquele entulho horroroso que chamam de viaduto em frente ao belíssimo e único prédio do tumelero na volta da rodoviária, claro que quem passa de carro nem se dá conta de que vive numa bela cidade, ou pensa que isso aqui é só um local onde se fatura pra depois curtir em ambientes de convívio verdadeiro, enfim deve ser por isso que ninguém me leva a sério…

  10. Rafael Zart disse:

    Fiz um cartum inspirado nesta postagem no meu blog.

  11. Pingback: Visita Técnica – Mobilidade Inteligente (parte 1) « Pet Civil – UFJF

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s