Como anda o processo do Ministério Público contra Ricardo Neis?

Já que hoje fez um ano da tentativa de homicídio contra dezenas de ciclistas, muitos devem estar se perguntando se afinal de contas “deu alguma coisa” quanto à punição do motorista. Achei essa matéria que expõe como está a situação:

———–

Na noite do dia 25 de fevereiro de 2011, um atropelamento coletivo ocorrido no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, estarreceu o país inteiro. O motorista de um Golf preto, acompanhado do filho no banco do carona, jogou o carro por cima de pelo menos 15 ciclistas que transitavam pela Rua José do Patrocínio. O caso foi manchete dos noticiários nacionais e ganhou, inclusive, repercussão internacional, com destaque em sites como do jornal britânico Daily Telegraph, da emissora BBC e do jornal espanhol El Mundo. Um ano depois, o homem responsável pelo acidente responde ao processo em liberdade e ainda aguarda julgamento. Em 12 meses, foram diversas audiências improdutivas e um rodízio de pelo menos quatro juízes.

No intuito de ver uma solução para o caso, o Ministério Público (MP) do RS segue cobrando júri popular para o funcionário do Banco Central Ricardo Neis, hoje com 48 anos. De acordo com a promotora Lúcia Helena Callegari, esta é a única saída para o réu. “Por mais que eles (a defesa) tentem postergar e enrolar o judiciário, não existe outra possibilidade. Os advogados dele querem que isso caia no esquecimento do público. Essa é a estratégia, mas nem o MP e muito menos a sociedade vão deixar isso acontecer”.

O processo tramita na 1ª Vara do Júri de Porto Alegre. A última audiência ocorreu no dia 2 de dezembro do ano passado, quando a defesa de Neis pediu mais tempo para juntar imagens que comprovariam supostas agressões do movimento Massa Crítica a outros motoristas. O Tribunal de Justiça do RS, através da assessoria de imprensa, informou que a juíza responsável, Dra. Carla De Cesaro, deve tomar uma decisão sobre o caso nos próximos dias.

Tentativa de reaver CNH

Em março do ano passado, a juíza Rosane Michels determinou que o bancário perdesse o direito de dirigir enquanto tramitar o processo. Porém, o Detran-RS e os próprios advogados de Neis confirmam que ele fez um curso de reciclagem na tentativa de reaver a carteira de habilitação. Mesmo assim, o advogado Marco Alfredo Mejia insiste que seu cliente não pretende voltar a dirigir depois do trauma sofrido no ano passado e afirma que ele tenta retomar a vida social. Ricardo Neis voltou ao Banco Central neste mês, mas foi deslocado para trabalhar no setor de informática, conforme o advogado.

“Ele ainda está muito abalado com tudo que aconteceu e não quer mais conduzir um veículo”, afirma. O discurso, no entanto, não condiz com a prática no tribunal. Em maio, logo após a conclusão do curso no Detran-RS, a defesa do réu tentou revogar a medida judicial. O pedido foi indeferido.

A espectadora do “strike”

No dia do atropelamento coletivo, a médica veterinária Daura Zardin participava de mais uma manifestação do grupo Massa Crítica. Ela pedalava na frente de dezenas de ciclistas que também acompanhavam o movimento. Percebendo a confusão, olhou para trás e viu várias pessoas sendo atropeladas como num “strike” de boliche. “No mesmo instante, vi o carro passar por mim em alta velocidade. Ele poderia ter passado por cima de mais gente. Não acreditei no que estava acontecendo. Fiquei apavorada”, conta. “O que mais me espanta, agora, é a ineficácia do judiciário”, afirma Daura, que diz sentir a “sombra da impunidade”.

A sensação da veterinária não é compartilhada pelo MP. A promotora Lúcia Helena Callegari empurra a culpa sobre os advogados de defesa. “Eles estão tentando enrolar a justiça. A mim, espanta a capacidade do réu de insistir culpando os ciclistas. Em nenhum momento ele pediu desculpa ou teve a capacidade de admitir que errou. Ainda falta humildade para reconhecer o erro que, por pouco, não tirou nenhuma vida naquele dia”.

Daura, espectadora do atropelamento, percebeu que o caso aumentou a força do movimento Massa Crítica e fez a sociedade refletir sobre a importância da bicicleta como meio de locomoção. “O que realmente importa nesse processo é que todos estão bem e que a sociedade acordou de vez para isso”, relata.

Fonte: GazetaWeb

Anúncios
Esse post foi publicado em na imprensa, Porto Alegre e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para Como anda o processo do Ministério Público contra Ricardo Neis?

  1. Melissa disse:

    ““Ele ainda está muito abalado com tudo que aconteceu e não quer mais conduzir um veículo”, afirma. O discurso, no entanto, não condiz com a prática no tribunal. Em maio, logo após a conclusão do curso no Detran-RS, a defesa do réu tentou revogar a medida judicial. O pedido foi indeferido.”

    #tomacretino

  2. Julieta disse:

    Esqueceram de colocar a foto dele! Sempre que mencionar o caso tem que colocar a foto. Que o rosto dele fique bem gravado na cabeça de todos.

  3. lusia disse:

    se fosse um zé ninguem, ja estaria preso…masssss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s